Prêmio de Participação

 

 

PARTICIPANTES:

 

Socorro Lima Dantas

Tobias Tres

Daniela Wainberg

Júlia Baú Schmitt

Paola Maciel Gioscia

Marjorie Cassol Spagnolo Cansan

Antonio Cícero da Silva

Luíza Benício

Carmen Lucia da Silva Cardoso

Eduarda Luz 

Carla Alexandra Ezarqui

Ilda Maria Costa Brasil

Yeda Soares Chiviacowsky

Tânia Sueli Oliveira

Clara da Costa

Ana Teresinha Drumond Machado

Roze Alves

Marcial Salaverry

Efigênia Coutinho

Teresa Santos

Arthur Veronese Freire

Pedro Alibio

Fátima Mello[fofinha]

Rafael Güntzel Orizenco

Isadora Moura

(Luis da Mota Filipe)

José Ramos - Gaia

Tânia Regina da Silva Guimarães

Meduina

Edson Gonçalves Ferreira

Francis  Raposo Ferreira

Angélica Brio

Maurélio Machado

Susana Custódio

Beki Bassan

Maria Tomasia

Cleide Dellani

Yara Nazaré

Rosinha Barroso

Humberto Rodrigues Neto

Eugénio de Sá

Nancy Cobo

Juraci da Silva Martins  

Raquel Ferraz Sokolnik

Joaquim Marques

Ervin Figueiredo
Rafael Thiele Galarza

Camila Lima Dantas

 

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Socorro Lima Dantas
 

 

Ah, meus sonhos de outrora,

lembranças que não vão embora,

permaneceram na esteira do tempo,

não esqueço deles um só momento.

 

 

Ah, vida iluminada,

naquela época tão desejada,

onde tudo tinha cores,

luzes, vigor e o aroma da juventude !

bastava fechar os olhos,

sonhar e viver intensamente o agora,

sem pensar no amanhã.

 

 

Como era bom aquele tempo,

em meu amanhecer,

os dias passavam tão rápidos,

que, envolvida com a magia do desconhecido,

não percebia sequer, a abordagem do anoitecer !

 

 

Tudo era motivo de alegria...

sorriso constante nos lábios,

agarrava-me decididamente aos meus planos,

e naquela imaginação... ia vivendo e sonhando...

certa de que o tempo pararia naquele momento,

e ninguém impediria aqueles sonhos realizar !

 

 

Hoje, restaram apenas os sonhos,

tremulados no coração,

sem mais aquele encanto,

marcados pelo passado...

tão cheios de planos,

que não voltarão mais !

 

 

Onde estarão os meus amigos de infância,

com quem sonhei, 

cada pedaço de vida planejei,

e todos os momentos comigo vivenciaram,

e uma vida de nuança com eles planejei ?

Será que andam perdidos, como eu,

agarrados aquele passado tão sonhado,

e um dia, nossos planos juntos foram traçados,

hoje, estamos longes, pelo destino separados.

 

 

Ah, passado contemplado,

aqueles momentos mágicos, sonhos encantados,

passaram pela minha vida tão rápido,

que não deu tempo sequer de um aceno,

da emoção daquela época áurea

 com eles me despedir,

eu queria apenas dizer-lhes,

 que sem aqueles sonhos,

hoje, essas doces lembranças eu não teria.

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Tobias Tres

 

 

Lembrar de momentos

felizes e alegres

é resgatar o passado,

trazendo a memória

antigas paixões,

amizades íntimas,

festas inesquecíveis

e momentos especiais.

Memória cheia

de doces lembranças

é alimentar o presente

e o futuro,

fazendo do passado

uma agradável melodia.

 

Porto Alegre/RS

02/07/09

 

 

DOCES LEMBRANÇAS...

Daniela Wainberg

 

 

Em minha memória

há inúmeras lembranças relevantes.

Algumas tristes, outras alegres.

Todas importantes

para o meu crescimento pessoal.

Brincar, pular, correr, passear,

cair, chorar, desenhar, pintar

e construir castelos de areia...

dia a dia da maioria das crianças.

 

 

 

DOCES LEMBRANÇAS...

Júlia Baú Schmitt

 

 

Quando eu era criança,

minha mãe contava-me histórias

para me deixar feliz

e dormir tranquila,

enquanto meu irmão punha

a mãozinha no coração,

esperando receber seu doce beijo

para ir dormir.

Na minha infância brincar

era um hobby muito divertido.

Quando a meninada descia

era uma festa só.

Entre muitas doces lembranças,

duas estão bem vivas

em minha memória:

dormir na casa de minha avó

e brincar o dia todo numa barraca.

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Paola Maciel Gioscia

 

 

Lembro do tempo

que era criança cheia

de vida e de esperança.

Quantas mudanças

aconteceram comigo!

Os dias passavam mais rápidos

e minhas ideias eram repletas

de fantasias e esperança.

Hoje me pergunto se acredito,

ainda em contos de fada.

Não quero esquecer o encanto

de quando era criança,

mas também não quero cair

na fresta da realidade crua

que nos resta.

Muitas mentiras e maldades,

escutamos, mas felizmente,

a verdadeira amizade

ainda nos protege e nos resta.

 

 

 

DOCES LEMBRANÇAS!

Marjorie Cassol Spagnolo Cansan
 

 

Oh, como eu queria lembrar
do momento em que te conheci,
mas minha memória
não está me ajudando.
Teus lindos olhos verdes
e teu sorriso fascinante
são responsáveis
por esse esquecimento.
Nosso encontro foi muito rápido
e, lamentavelmente,
tudo não passara disso.
Quando saiu à rua, procurando-te
em todos os rostos.
Não vou chorar, a vida continua.
És uma doce lembrança;
não tenho mais esperança
de reencontrá-lo. Que seja assim!

 

 

DOCES LEMBRANÇAS
Antonio Cícero da Silva
 

 

Vivo muito a lembrar
de momentos tão lindos
e tão felizes...
de quando eu sonhava
ao fazer planos,
repletos de magia e fantasia.
Sonhava acordado, com momentos
fantásticos e espetaculares.
Tudo era fantasia e vigor.
Lembro-me de tantos projetos
em pauta, de tantos encantos
que vertiam da mente.
Lembro-me de tantos colegas
e amigos da minha infância,
que hoje, não sei dos seus paradeiros.
Vivo então a recordar,
de época e momentos tão felizes,
de quando vivia a sorrir
e via a todas as coisas,
por um ângulo límpido e brilhante.
São doces as lembranças,
 de um mundo ímpar...

 

 

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Luíza Benício

 

 

 

Eu que nasci em outro estado

E vim para Recife com quinze anos

Sem conhecer ninguém

Sem ter, por aqui, parentes.

Imaginem  como foi difícil!

 

 

Não só eu, como os manos sofremos muito

Até conseguirmos novas amizades:

No Colégio novo, novos professores,

Novos costumes.  Novo sotaque...

Diferenças regionais.

 

 

A saudade era demais !

Não tínhamos parentes para visitar,

e tudo foi sendo conseguido muito devagar.

 

 

Acho que isso é um problema que se repete

Muito com pessoas que emigram

A  adaptação é um fator que repercute na formação

Cultural de uma criança ou adolescente.

E pode modificar até o seu comportamento!

 

 

 

DOCES LEMBRANÇAS...

Carmen Lucia da Silva Cardoso

 

 

Fugir/ Pra quê?

No centro, a alma

O turbilhão de emoções

Na cara

A máscara

O olhar silencioso

Parado

Inerte

Um leve sorriso...

À noite, no escuro da sala,

A angústia

A fala

O calor

Da dor, do amor

Escondido, jogado,

No fundo, do fundo

Do medo

Com medo

De se mostrar?

 

 

 

DOCES LEMBRANÇAS...

Eduarda Luz

 

 

Pássaros voam.

Uma voz vem de longe

como a música que passa.

O perfume se espalha

e o amor dá início

a uma linda história

que, com passar do tempo,

vira doces lembranças

e uma bela poesia.

 

 

DOCES LEMBRANÇAS...

Carla Alexandra Ezarqui

 

 

Lembranças

tomam conta da vida

que ganhei no passado

quando elas ainda eram

presente

um futuro que chegou,

mas passou

aconteceu

acabou

Lembranças

esquecidas na gaveta

perdidas por entre roupas

que não uso mais

desgastadas pelo tempo

pela vida.

Roupas usadas

tempo passado

vida vivida

Lembranças

agora lembrando-me

de esquecer o que um dia

esqueci-me de lembrar

revivo o que não

vivi

Lembranças

 

 

 

 

 

DOCES LEMBRANÇAS...

Ilda Maria Costa Brasil

 

 

Toras de eucalipto

transformavam-se

em austeras paredes;

galhos,

em telhados e portas

rústicas.

Crianças brincavam

e sorriam alegres

quando a casa

mantinha-se em pé,

firme e protetora,

mas quando

desmoronava,

as lágrimas

eram verdadeiras,

intensas

e cheias de dores.

Infância, no campo,

tem cheiro de mato

e de capim

tal qual lembranças

de banho de lama

e de açude

têm cheiro de amor.

 

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Yeda Soares Chiviacowsky

 

 

 

Muitas crianças, na praça brincando,

subindo e descendo nos galhos das árvores,

primos e primas, irmãos e irmãs,

amigos queridos que o tempo levou ...

 

Como pássaros, em bando brincávamos.

Sem percebermos, os anos passavam...

E alegres, felizes, fomos crescendo,

Naquele ambiente de paz e amor.

 

Hoje eu recordo, com grande alegria,

da vida folgada que a gente vivia...

Bateu a saudade, lembrei do amor,

e daquele encanto que cedo acabou...

 

Alheios a tudo, e ao nosso futuro,

Seguimos em frente... Rumos diferentes...

Doces lembranças do tempo de criança,

são marcas bonitas que no coração ficou.

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Tânia Sueli Oliveira

 

 

 

Tenho tantas lembranças...

eu correndo na areia...

menina que voava em seus sonhos

e atingia as estrelas !

 

Cabelos soltos, cachinhos e lacinhos

feliz da vida sonhava...brincava

e chorava num cantinho

quando ficava triste !

 

Sempre muito sensível, emotiva...

vibrava com tudo , cantava,

dançava na chuva e ria

totalmente livre, sem preocupações !

 

Cresceu num ambiente de amor,

união e respeito mútuo,

na família, com amigos

e sonhou ... sonhou...

 

As festas, bailes...que delícia

a primeira vez que dançou juntinho

com aquele menino ...que medo...

de pisar em seus pés, meu Deus !

 

O primeiro beijinho roubado

daquele que era seu melhor amigo

e mal sabia que ele me amava

e fugi...hoje ele está no céu !

 

O primeiro amor platônico...

ele nem sabia que eu existia

e o quanto me fazia tão feliz

quando me olhava, falava comigo !

 

As amigas e amigos inseparáveis,

mas cada um seguiu seu caminho...

uns casaram, outros separaram...

todos buscando a felicidade !

 

Ah...lembranças doces...

que saudade gostosa

e ter a certeza de que vivi

e não apenas existi !

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Clara da Costa

 

 

Doces lembranças,

das manhãs ensolaradas ,

banhadas de verde...

Pelas colinas, o galope à cavalo,

na minha terra gaúcha,

sentindo o vento,

acariciando o rosto

banhado de sol matinal.

Doces lembranças,

da vida no campo,

aquela paz, junto ao meu amor,

onde nos embalávamos na

rede da varanda,

nas manhãs iluminadas.

 

 

Doces Lembranças

Ana Teresinha Drumond Machado

 

 

Uma porta, seis

janelas e um quintal,

lembram minha infância.

 

Na casa da avó

ganhava quitandas e

chupava laranjas.

 

O carro de boi

vem de lá anunciando:

colheita chegou.

 

Menina morena

vai à fazenda nadar,

brincar e pular.

 

A bola rolou

na calçada e a menina

escoou-se atrás.

 

Passada a chuva,

desce a menina peralta

a brincar na enxurrada.

 

Lá das carambolas

desciam doces lanternas.

Ah! Água na boca!

 

Por sob a mangueira

fogãozinho de lenha... hum!

Criança é cozinheira.

 

Família reunida,

Rodeando a velha mesa

e o cheiro no ar.

 

Crianças em festa,

envolvem quadra da escola,

no recreio, ciranda!

 

Frio vem chegando,

Canjiquinha com costela

quente na panela.

 

 

 

Doces Lembranças

Roze Alves

 

 

Vestidas de normalistas

O anel quase nos dedos

Não queríamos saber

Pela rua ríamos a valer

 

Jovens, um belo ideal

O analfabetismo acabar

Acreditávamos afinal

Que podíamos cooperar

 

Bom demais lembrar

Tempo que não volta mais

Olhos, continuam a brilhar

Ideais, tivemos que mudar

 

 

 UMA DOCE RECORDAÇÃO   

Marcial Salaverry
 

 

Doce recordação que alegra o coração,
trazendo de novo aquela mesma emoção,
aquele breve momento, aquele gesto de carinho,
aquele simples beijinho,
aquela mera promessa de amor...
Ficou como uma doce recordação,
uma doce lembrança que ficou no coração...
Nem sempre podemos ter o que queremos,
mas lembranças doces sempre teremos...
Não podemos deixar perdido no passado,
aquele carinho enamorado...
Bons momentos que não devem ser esquecidos,
pois não foram momentos perdidos...
Foram momentos de felicidade,
que deixaram saudade...
Saudade de algo que não se completou...
não estava preso e se soltou...
Enfim, momentos para sempre lembrados...
Doce recordação de carinhos trocados...
De algo que deixou saudade,
mas que trouxe felicidade...
 
Marcial Salaverry
Direitos autorais reservados


 

 

Doces Lembraças
Efigênia Coutinho


 

Tenho lembranças das tardes
Que não vislumbro mais
De aromas tão suave
Das flores dos roseirais.
Lembranças de dias chuvoso
Em gotas plangentes
Tal lágrimas quentes.

 

Maio 2010

New York

 

 

Doces Lembranças

Teresa Santos

 

 

Um rapazinho com 1,90m de altura.

Cabelos loiros. Olhos azuis.

Pele de pêssego. Rosadinha.

Um sorriso encantador.

Um uniforme do colégio.

Um Aero Willys que o trazia.

Tempos de colégio.

Ano 1967.

Lembranças que estão sempre presentes

mais do que nunca.

O rapazinho envelheceu.

Os cabelos são prata.

A idade chegando aos 60 anos.

Mas o sorriso.. Ah! o sorriso continua

o mesmo.

Encantador.

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Arthur Veronese Freire

 

 

Em minha infância havia o aroma da diversão sem fim.

Era pega-pega, esconde-esconde e super-heróis;

brincadeira era o meu lema com um semblante risonho.

Um simples grito era a única situação que poderia destruí-lo.

Os tempos mudaram e estou na adolescência.

Bonecos não há mais; o meu gosto se alterou.

A música, o computador e videogame os substituíram.

As inquietas brincadeiras infantis deixaram de existir

e a música foi meu doce e agradável consolo.

Esta é minha paixão e sei que nunca me abandonará.

Doces lembranças, eu tenho de minha infância.

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Pedro Alibio

 

 

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades

porque na vida existem vários momentos e fases.

Criança brincalhona e rebelde, quase sempre,

tornam-se adolescente responsável,

adulto maduro e idoso experiente.

Quando mais o tempo passa,

mais experiência ganhamos para a vida.

A criança tem vontade de aprender e de divertir-se,

enquanto o adolescente acha que tudo sabe

e dicas não quer ouvir.

Os jovens gostam de desafiar os pais

e de ganhar experiências sozinhos, arriscando-se.

Mesmo quando estão errados,

querem passar por situações perigosas e vivenciá-las.

O tempo passa e a vontade de arriscar-se também.

Tudo que não é certo e que não faz bem,

um dia será descoberto.

Para cada fase da vida, temos um tipo diferente

de pensamentos, de atitudes e conceitos de vida.

No entanto, com o passar do tempo,

tudo se transforma em doces lembranças.

 

 

Doces lembranças

Fátima Mello[fofinha]

 

 

 

Há se o relógio por um minuto parasse

me transportando para tempos atrás

onde só os jogos de pic esconde,

rei rainha e amarelinhas eram  importantes

nas longas tarde de verão na rua a brincar

O cheiro da pipoca, da batata frita feita pela vovó.

Saudade dos longos passeios a cavalos

das preocupações de vovó

em nos proporcionar as melhores férias

sempre povoada de mistérios

nas suas historias contadas na beira do fogo

Banho de sanga...mate doce

com bolinhos fritos na hora...

Nossa um turbilhão de lembranças

passam por meus olhos como filmes

Onde andaras tu que o primeiro

beijo me roubou?

Festas bailes...alegrias

sem preocupações, sem temores...

saudades...

 

 

 

DOCE LEMBRANÇAS...

Rafael Güntzel Orizenco

 

 

Entrando numa câmara,

que mais se parece um sonho,

violinos dançam ao meu redor

ao som de uma linda canção de ninar.

Num flash, lembrei-me de mim

caminhando como uma formiga.

Que doce lembrança

eu encostado no violino.

Uma bela foto,

que, ainda hoje,

minha mãe tem.

 

 

 

DOCE LEMBRANÇAS...

Isadora Moura

 

 

Um dia terei, quando me formar em direito

e estiver vestindo minha toga.

Certamente, lembrarei de quando tinha doze anos

e sonhava com esse momento;

e de ver todos os meus esforços recompensados

ao receber meu diploma

e observar o sorriso de meus pais e avós.

Nesse dia, lerei este texto e tantos outros que escrevi,

ficando feliz por ter atingido meus objetivos.

Lembrarei com carinho de minha infância

e dos bons e maus momentos passados,

e pensarei:

“- Que sorte a minha de ser eu mesma!”

 

 

 

Á SOMBRA DA FIGUEIRA

(Luis da Mota Filipe)

 

 

Á sombra da figueira,

Ouvi histórias e contém histórias.

Olhei o tempo e brinquei com no tempo.

Ri, chorei, cantei e amei;

E gostei…a sério que gostei.

Ali, fui amigo e fiz tantos amigos,

Dos que perduram em minha vida.

Tornei-me aprendiz mas também sabedor,

E partilhei…

Partilhei muitas experiências e vivi imensas emoções,

E gostei…a sério que gostei;

Á sombra da figueira,

Daquela figueira que agora me oferece doces lembranças.

 

 

DOCES LEMBRANÇAS (POETRIX)

José Ramos - Gaia

 

São recatadas as Doces Lembranças!
Algodão doce feliz guloseima...
Saborosa, nuvem para crianças.

 

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Tânia Regina da Silva Guimarães

 

 

Cérebro, que guardas de tão precioso?

¾ Lembranças da infância.

São dez horas;

hora de brincar de balanço.

Balanço esperado, aguardado,

do qual participamos da construção.

Quem vai ser o primeiro?

Já passou o almoço,

a louça foi limpa,

as panelas areadas e secas ao sol.

À tarde, a diversão é construir estradas

no pátio com direito a ponte,

lago, árvores, galhos e castelos vermelhos.

E, assim, vamos construindo a nossa estrada!

Enquanto isto, na varanda, elas conversam,

costuram, tricotam, bordam...

E, mais uma semana se passou. Fim de semana!

Domingo, hoje, é dia de missa, vestido novo, com fitas e

rendas de broderi.

Doces lembranças!

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Menduina

 

 

Doces Lembranças !!

 

Da memória não posso tirar as lembranças

De outrora, te conheci, me apaixonei, te

Entreguei minha vida, Lembranças !

De uma juventude ardente no primeiro

Amor!!!

 

Doces Lembranças !!

 

Há! quantas saudades tempos idos

Bem vividos, nosso amor quase

Crianças e eu no ênfase  de ser eu

A tua lembrança, e  tu minha eterna

Doce lembrança!

Nossas doces Lembranças  sempre!!

 

 

Doces lembranças
Edson Gonçalves Ferreira


Como Jesus, minhas lembranças têm o perfume de madeiras
Da carpintaria, no fundo de minha casa,

 onde meu pai trabalhava
Enquanto minha mãe, no tanque,

lavava roupas: calças, calcinhas, camisas, sutiãs
Com a mesma graça com que Nossa Senhora o fazia
E, quando a tarde caía,

meu pai enchia o ar com seu piston
Anunciando a primeira estrela cujo fulgor, até hoje, brilha.
Brilha no meu olhar sonhador

sob as bênçãos do Senhor Deus, meu grande Pai.

Divinópolis

 

 

Lembrança

Francis  Raposo Ferreira

 

 

Recordo-te, avó velhinha,

Serás sombra da minha mente,

Eu era feliz quando te tinha,

Agora, tudo em mim é diferente.

 

Neste mundo infernal,

Um dom Deus te deu,

A ninguém fazias mal,

Todo teu mundo, era eu.

 

Todos te tinham admiração,

Era grande o teu coração,

Como era Santo o teu viver.

 

Ajudavas toda a gente,

Mesmo estando consciente,

Que não tinhas que comer.

 

 

Portugal

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Angélica Brio

 


 

De um dia criança
viagem ao mar
emoção
brilho no olhar
pavor e alegria
molhar os pés
parar o tempo
sentir
ouvir
e agradecer
o presente em poder viver
 
 

 

Doces lembranças

Maurélio Machado

 

 

Belas recordações dos tempos passados

As maravilhosas brincadeiras de crianças

No  mundo de paz e  sonhos encantados

Que deixaram lindas e doces  lembranças.

 

Brincar de bola no campinho de chão batido,

esconde-esconde ,pular carniça, bola de gude

papagaio, pula corda e de mocinho e bandido

 

No aconchego da mãe e dos seus, embevecido

A  infância inocente e feliz em toda a plenitude

Na plena certeza de ser por todos muito querido.

 

 

 

DOCES LEMBRANÇAS,

Susana Custódio

 

 

Cheias de bela fragrância

São aquelas que trago da infância

Das brincadeiras na minha rua

Até ao nascer da lua

Da creche onde muita coisa aprendi

E onde também cresci

De andar de mão dada com o meu pai

E isso da memória não se esvai

Da Figueira do meu quintal

Essa sim, ainda não encontrei outra igual

Doces lembranças

Também são aquelas da cidade onde estudei

E pela qual me apaixonei

Da minha África querida

Que jamais será esquecida

Do meu primeiro emprego

Que me tirou o sossego

Doces lembranças

Tão doces que me roubam

O amargo do fel

Tão cruel

Das más que atingiram esta minha vida

Onde me sinto perdida

 

Portugal - Sintra

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Beki Bassan

 

 

Todos temos boas e más recordações,

mas se colocar na balança,

tenho mais boas e doces lembranças.

 

Quando criança, filha única,

fui muito amada pelos meus pais,

que me deram uma bela educação.

 

Tive uma bela adolescência

Brinquei muito, fui jogadora de vôlei,

e tive grandes amigos.

 

Alguns ainda permanecem,

mas o bom é que sempre fomos unidos,

saíamos e nos divertíamos muito.

 

Já na idade adulta

trabalhei e exerci cargos que me orgulho,

e isto certamente devo aos meus pais.

 

Casei-me e tenho um filho maravilhoso

que seguiu a minha profissão

e somos uma família alegre e feliz.

 

Tenho certeza que estas lembranças,

levarei sempre comigo,

DOCES LEMBRANÇAS.

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Maria Tomasia

 

 

São tantas e doces lembranças

Que jamais consegui olvidar

Algumas continham  tanta pureza

Ainda hoje continuo a sonhar!

 

Sei que os anos ficaram para trás

Mas, mesmo assim, vivo a recordar...

Dos bailes nos Domingos à tarde,

Quando eu aprendi a dançar!

 

Confesso que era mais feliz,

porque havia muita sinceridade.

Se alguém me chamava de amiga,

podia acreditar, era amiga de verdade!

 

Eu sempre ia ao cinema  e muitos

beijos  me eram roubados...

Os temas e as músicas dos filmes,

de tão românticos, são ainda lembrados!

 

RJ 25/05/10

 

 

INFÂNCIA

Cleide Dellani

 

Na casa da minha avó havia
Pêssegos maduros no pomar
Uvas e laranjas em demasia
E um quintal enorme para brincar

Lembro-me com certa nostalgia
Dos felizes dias da minha infância
Do doce de queijo que vovó fazia
E oferecia para toda a vizinhança

Nesta minha vida, a minha história
O que ficou marcado na memória
Foi  meu tempo feliz de criança

Hoje vi, que se cresce rápido demais
E que o melhor da vida  fica lá para tráz
Num velho baú, de DOCES LEMBRANÇAS.

 

 

LEMBRANÇAS

(Yara Nazaré-18/04/2001)

 

 

Da menina pequena guardo...

O momento de oração

A brincadeira de roda

E as bonecas nas mãos.

 

Das lembranças alegres...

Quanta recordação!

Ainda assim, persigo a ternura

Brinco sempre e resgato

Os afagos e os abraços.

 

Nos meus sonhos realizo

As quimeras deixadas no ontem

E caminhos novos se abrem

Com ternas personagens.

 

Sigo e mantenho o sorriso

Alimento da minha alma.

Quero buscar meu ideal

Continuo e sigo na trilha

Descubro um novo espaço.

 

Na bagagem...  só alegria

Canto e louvo a felicidade!

Quero sentir da emoção, a calma.

No espírito...

a quietude do momento.

 

Palavras ditadas e cantadas

Trazidas pelo vento

Armazenadas no meu coração

Fazem simplesmente parte

De doces lembranças vividas

Rogo ao céu com clemência...

Que não se apaguem com o tempo!

 

 

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Rosinha Barroso

 

 

Deitada olho o céu

As lembranças chegam devagar

Momentos jamais esquecidos

Que me fazem novamente sonhar.

 

Doces lembranças me fazem sorrir

E o coração dispara a palpitar

Fecho os olhos e fico a pedir

Tempo pare não me deixe acordar.

 

 

Salvador/BA

25/05/2010

 

 

 

 

ENXURRADA

Humberto Rodrigues Neto

 

 

Eu lembro... era menino, e no piçarro

da rua, quando a chuva, em correnteza,

descia, eu ia armar uma  represa,

juntando pedras com cascalho e barro.

 

Naquela tosca e débil fortaleza,

sujeita a esboroar-se a um leve esbarro,

quão fácil foi-me, num folgar bizarro,

manter sujeita a mim a natureza!

 

Depois cresci...vieram tempos risonhos,

e toda uma caudal fruí de sonhos,

de  lábios, e de corpos tentadores!

 

Mas, lá se foi do tempo na devesa

toda a enxurrada dos febris amores

que eu não pude conter numa represa!

 

 

Doce recordação

Eugénio de Sá

 

 

Essa luz feita de sedução

Que de um certo recanto vejo vir

Sussurra-me segredos que ao ouvir

Te trazem em murmúrios de oração

 

Haverá nessa luz transposição

De um divino prenuncio de outra vida

Que te move e te traz confundida

Na transcendência da recordação?

 

No meu quarto a janela é perpassada

De uma estranha luminosidade

Como um fugaz cometa sem idade

Que de ti traz presença anunciada

 

E nesse pó de estrelas que ficou

Dourando todo o espaço onde me deito

Vou-te sonhando acostada ao meu peito

Retribuindo o amor que te dou

 

Não há horas ligeiras em tanta emoção

A vida ali parou e pediu para ficar

E quieta te sinto, quase sem respirar

Ouvindo enternecido bater-te o coração

 

São as almas voando entrelaçadas

Num amplexo total vibrante e terno

Relegando um taciturno inverno

Em que voavam sós, desconsoladas

 

E por essa doçura haver experimentado

Quando me deito peço a Deus de volta

O sonho em que te sinto em mim envolta

Nessa esperança adormeço embalado

 

Quando acordo, brilha-me o olhar

Ao lembrar a vivência experimentada

Por te ter a meu lado, aqui deitada

E por te haver amado e continuado a amar

 

 

 

Lembranças
Nancy Cobo


 

Lembranças que nos faz voar longe
voltar no tempo, sonhar acordada.

Que nos trás saudade;
vontade do beijo;
do abraço bem apertado;
do seu corpo sobre o meu .
do olhar, do sorriso,
do amor que vivemos,
lembranças de você...

São lembranças que trazemos na alma
e que se alimenta da saudade sentida pelo coração.

 

 

DOCES LEMBRANÇAS...

Juraci da Silva Martins

 

 

Ah! como eu gosto

de recordar

o doce calor

de minha infância

no interior!

Que belo viver

Campos floridos

no verde esplendor

Tapetes pintados

Por Nosso Senhor.

Ah! Como eu gosto

De recordar

As brincadeiras

Subindo nos morros

e nas laranjeiras.

Os banhos de açude

Rolar por ladeiras

As mil atitudes

Sãs brincadeiras.

Que o tempo levou...

E o tempo se foi

Ficou na memória

Bonecas de pano

Brincar de comadre

Nossa história...

E o tempo se vai

Fica a lembrança

Do fogo de chão

Dos casos contados

Pelo meu pai.

 

São Sepé/RS

27/05/2010

 

 

 

DOCES RECORDAÇÔES...

Raquel Ferraz Sokolnik

 

 

Distraída, certo dia, eu passava por uma rua,

quando esbarrei com um ex-namorado.

Eu, que, há algum tempo, odiava-o

por tudo que ele me fizera,

percebi que não lhe tinha mais mágoas.

Ele foi meu primeiro e grande amor.

Lembro, tudo tão lindo e poético,

e, de repente, acabou.

Conversamos muito, um pouco de tudo;

até sobre nós e rimos bastante.

Ele está casado e, como eu, tem filhos também.

Nossas vidas mudaram completamente,

construímos famílias.

Ao nos despedirmos, o danado

tentou me dar um beijinho, dizendo:

- É o último e será nosso segredo.

Não aceitei por tudo o que nos acontecera

e porquê não estava a fim de fazer, com o meu marido,

o que ele fizera comigo.

 

 

 

DOCES LEMBRANÇAS

©Joaquim Marques

 

 

São tantas minhas lembranças

Em que, com outras crianças

Brincava com obstinação;

Quer fosse a jogar a bola

Ao eixo, à carambola

Salto da corda ou pião.

 

 

 Em sonhos lindos eu via

Num misto de fantasia

Eventos em carrossel;

Fazia pra brincadeira

Cavalinhos de madeira

E barquinhos de papel.

 

 

Ao correr campos floridos

Seus matizados garridos

Me enchiam d'esperança;

O seu cheiro inebriante

Me tornava confiante

Nesses tempos de criança.

 

 

Inda no rol de lembranças

Na retina, guardo tranças

De cabeleiras douradas;

Que tratadas a preceito

Encostavam em meu peito

Por mim, eram alisadas.

 

 

Momentos doces da vida

Aos amargos dão guarida

E se transformam num misto;

De recordações de amor

De sofrimento e de dor

Lembranças...É tudo isto!...

 

 

DOCES LEMBRANÇAS
Ervin Figueiredo



Recordo com alegria
Guardada em doces lembranças,
Caminhos já percorridos,
De tantas e quantas andanças.

Me recordo dos amores,
São todos doces lembrança,
De dias felizes vividos,
Em meio a tantas festanças.

Hoje trago imenso carinho
De tudo que não nos cansa,
Guardado bem fechadinho

Num coração que balança
Batendo bem devagarzinho,
Saudade de doces lembranças.

Americana/ SP
20/ mai/ 2010



DOCES LEMBRANÇAS...
Rafael Thiele Galarza
 


Pareço estar meio tonto,
mas, mesmo assim, ainda consigo pensar
e lembrar do que fiz
ao longo de minha vida.
Ela, ora me fora boa como doces,
ora amarga como café sem açúcar.
Após, pensar muito em tudo;
lembrei do meu primeiro beijo,
da minha primeira namorada;
do meu cachorro, agora, falecido;
de meus pais e familiares.
Em meio aos devaneios, uma voz amiga disse:
“- Acorde para o presente.
Tua vida é boa.
O problema é que continuas vivendo no passado.“

Porto Alegre/RS
27/05/10
 

 

DOCES LEMBRANÇAS

Camila Lima Dantas

 

 

Guardo no peito lembranças

Que não saem do meu coração,

Uma delas é a minha infância

Que não apagaram da história.

Lembro sonhos pequeninos,

Eu, brincando com as minhas bonecas,

E na hora do banho,

Enfileirava todas elas

Contava histórias a cada uma,

Enquanto seus cabelos eu penteava,

Conversava horas, e o tempo passava...

Chegava a hora do meu jantar,

E eu,  as minhas bonecas não queria largar,

falava então para elas

ficarem quietinhas naquele lugar

até eu, sua mamãe voltar..

Ah, como são doces essas lembranças !

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Copyright © 2007, Socorro Lima Dantas - Todos os direitos reservados.
Publicado: 13.01.2007  Última atualização:  11.11.2012

Webdesigner:  Sonia Orsiolli